NOTÍCIA - prefeitura/politica

17 de julho de 2017 | MENOR | MAIOR | |

Mulher se diz enganada por coligação de Serys; MPE denuncia.

Promotor Vinicius Gahyva Martins acusa partido de ex-senadora de falsificar candidaturas em 2016.
Mulher se diz enganada por coligação de Serys; MPE denuncia.

Vivendo com um salário mínimo que recebe do INSS, a dona de casa Maria Saturnina Santana Arruda, de 59 anos, diz ter sido enganada por membros da Coligação Cuiabá Levada a Sério, nas eleições de 2016, que tinha como cabeça de chapa a ex-senadora Serys Slhessarenko (PRB).

Serys concorreu à Prefeitura de Cuiabá, mas amargou a penúltima colocação, entre seis candidatos. Sua coligação era formada por 26 homens e 12 mulheres.

Em depoimento ao promotor eleitoral Vinicius Gahyva Martins, Maria Saturnina contou que não se lembra quando se filiou ao Partido Republicano Brasileiro (PRB). Disse que foi convidada por um pastor de nome Eduardo, da Igreja Universal do Reino de Deus, para trabalhar na campanha de Serys.

No depoimento, ela disse acreditar que o cadastro feito no partido seria para trabalhar na campanha eleitoral.

“Que a declarante não entende nada de política e nunca participou de qualquer reunião do partido”, diz trecho do documento.

A dona de casa disse ter descoberto ser uma das candidatas da coligação de Serys quando outro pastor, de nome Carlos, a procurou para tirar uma foto sua para o “santinho”.

A declarante não entende nada de política e nunca participou de qualquer reunião do partido
“Que recebeu a visita em sua casa do pastor Rogério Rossetti Martins [presidente do diretório estadual], que levou uma série de documentos para a declarante assinar, dizendo que era para ajudar na candidatura dele e que se a declarante não assinasse tais documentos ele não teria como concorrer às eleições municipais”, disse ela, referindo-se a um dos candidatos a vereador do PRB.

Maria Saturnina contou, então, que assinou os documentos com a promessa de que conseguiria uma declaração de que não estava concorrendo ao pleito eleitoral.

Ainda no depoimento, ela diz não ter aberto nenhuma conta de campanha para receber contribuições. Entretanto, seus dados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) mostram que ela recebeu R$ 2 mil, sendo que um dos repasses, no valor de R$ 1 mil, foi feito pela então candidata Serys Slhessarenko.

Inelegibilidade

Com base no depoimento da dona de casa e em outros elementos colhidos na investigação, o promotor Vinicius Gahyva protocolou uma ação de investigação judicial eleitoral em que pede a inelegibilidade de Serys, do pastor Rogério Rossetti e do secretário do PRB Aluizo Lima Pereira.

Além disso, também pede condenações a membros do Partido Trabalhista Nacional (PTN), que fazia parte da coligação, como o presidente da sigla, Augusto Jorge Pereira Leite, e a tesoureira Cilmara Conceição Coelho.

O promotor pediu que o TRE reconheça a prática de abuso de poder e fraude na composição da lista de candidatos. Pediu, ainda, que todos os votos à coligação sejam considerados “nulos”.

“A coligação aqui investigada agiu de forma contrária à lei, tangenciando a disposição legal mencionada e desviando-se do rumo traçado pelo ordenamento jurídico de regência. E, mais, conduziu o juiz ao erro quando do registro, oferecendo um DRAP [Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários] ideologicamente falso, afirmando candidaturas que não o eram de verdade, daí que abusou do poder que a lei lhe conferiu”, disse o promotor na ação.

O processo está sob responsabilidade do juiz Gonçalo Antunes de Barros Neto, da 55ª Zona Eleitoral. Uma audiência chegou a ser realizada no mês de maio, em que as advogados de Serys pediram a dispensa de sua presença, o que foi aceito pelos juiz.

Entretanto, ainda não há nenhuma decisão na ação.

Outras ações

Gahyva também entrou com ações contra outros partidos e coligações. Entre eles o Partido Social Cristão (PSC), Partido Social Democrata Cristão (PSDC), e a coligação “Dante de Oliveira 1”, ligada ao candidato derrotado à Prefeitura de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB).

Na quinta-feira (13), o juiz Gonçalo Antunes de Barros Neto, da 55ª Zona Eleitoral de Cuiabá, determinou a cassação do mandato do vereador Elizeu Francisco do Nascimento (PSDC), de Cuiabá, em razão de fraude na cota feminina.

Além do vereador democrata-cristão, o juiz também determinou a inelegibilidade por oito anos dos candidatos José Cezar Nascimento, Rogério da Silva Oliveira, Luzmarina Bispo dos Santos e Rosana Aparecida Oliveira da Silva.

Outro lado

A reportagem tentou entrar em contado com a ex-senadora Serys Slhessarenko, que é presidente municipal do PRB, mas as chamadas em seu celular não foram atendidas.

Mulher se diz enganada por coligação de Serys; MPE denuncia.
Fonte: Querência em Foco com DOUGLAS TRIELLI

Comentários

Deixe um comentário sobre esta notícia.